Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

galeria de eventos
video reportagens
Outros Negócios
Máquinas para blocos
PRICE_NEGOTIABLE
Outros Negócios
Máquinas para blocos
PRICE_NEGOTIABLE
Negócios
Máquinas para blocos
PRICE_NEGOTIABLE

Huambo regista aumento de violência contra homens

Huambo regista aumento de violncia contra homensUm total de 60 casos de violência contra os homens foram registados no mês passado na província do Huambo, informou  ontem  à imprensa local  a directora provincial da Acção Social, Família e Promoção da Mulher.
 
Frutuosa Cassinda esclareceu que todos os casos que deram entrada no sector que dirige, durante o referido período,  foram resolvidos por via de reconciliação entre os casais, com a mediação de funcionários do Centro de Aconselhamento Familiar.
“Às famílias devem primar pelo diálogo de modo a  evitarem conflitos no lar. Portanto, é  necessário que os casais tenham espírito de compreensão, amor e humildade  para que construam um lar sem revoltas”, disse Frutuosa Cassinda.
Frutuosa Cassinda explicou que  em 2016 houve 201 casos,  e no ano seguinte 147, dos quais se destacam cinco agressões físicas, cinco sobre disputa de bens patrimoniais, 13 ofensas psicológicas e 37 de abandono familiar.
Para o jurista Arlindo  Sawandi, questões culturais, a fraca informação, o baixo nível de instrução, associados aos tabus, têm sido os principais factores que concorrem para o aumento de casos de violência nos lares. Arlindo António defende maior divulgação nas comunidades dos instrumentos que regulam a convivência entre os cidadãos. 
“Muitos casos de violência doméstica que ocorrem no seio familiar, como agressão física, falta de prestação de alimentos, entre outros, acabam sempre por desestruturar as famílias”, disse o jurista,  acrescentando que, “as vítimas  de violência devem denunciar os casos para que os agressores sejam responsabilizados pelos seus actos”.
“Temos estado a registar na nossa  província a presença de muitos homens na Direcção da Promoção da Mulhera apresentarem queixa, devido ao mau comportamento de muitas mulheres que deixam de alimentar os filhos, alegando ser apenas tarefa do esposo”. 
As mulheres devem ter consciência de que as tarefas no lar têm de ser repartidas”, concluiu.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao