João Lourenço prometeu ser Presidente de todos angolanos

Joo Loureno prometeu ser Presidente de todos angolanos12h30 - O presidente do Tribunal Constitucional faz o discurso de felicitação ao Presidente da República e ao Vice-Presidente da República.
 
Rui Ferreira fala da importância do momento, agradece ao Presidente José Eduardo dos Santos, de quem  lembra os mais de 50 anos dedicados à luta pela Independência Nacional, à preservação da independência, à realização dos ideais de Agostinho Neto, à erradicação do apartheid, conquista da paz, reconciliação nacional, reconstrução nacional e consolidação da democracia. Afirma que os angolanos e a nação têm, com o Presidente José Eduardo dos Santos, “uma dívida impagável por tudo que fez” e acrescenta: “muito obrigado Presidente e perdoa-nos por ter lhe roubado a sua juventude, o tempo de uma vida, a sua saúde e o convívio da família”.
Ao Presidente da República, João Lourenço, o presidente do Tribunal Constitucional lembra que os limites únicos do poder que lhe foram conferido pelo povo são os que constam da Constituição da República, da Lei e do dever de servir a nação. “Não há outro, Sr. Presidente. A partir de hoje abrem-se aos seus pés e para os próximos cinco anos uma via expressa para fazer o que prometeu aos angolanos”. E pediu: “Corrija o que está mal, melhore o que está bem, combata a corrupção, fortaleça o Estado democrático e de direito, diversifique a economia e melhore a qualidade de vida dos angolanos”. Rui Ferreira lembrou: “O momento e o contexto são difíceis e os desafios que tem são muitos. Conhecemos-lhe a determinação, a disciplina, a lealdade a valores, a fidelidade a princípios, a coragem e o valor que dá à palavra dada. tem também o voto popular. estamos confiantes e certos de que vencerá estes desafios e realizará o programa que prometeu aos angolanos”.    
12h38 - João Lourenço fala pela primeira vez à nação como Presidente da República de Angola. Saúda o Presidente José Eduardo dos Santos, a quem agradece o empenho, a dedicação ao país e ao povo, e rende homenagem aos heróis, incluindo o Fundador da Nação angolana, Agostinho Neto. Lembra aos políticos que os interesses nacionais devem estar sempre acima dos interesses individuais, garante a implementação gradual das autarquias e a melhoria do diálogo com as diferentes forças sociais, além da necessidade de os governantes saberem conviver com a crítica. No campo económico, anuncia medidas para estabilizar a moeda, reduzir a inflação, declara menos intervenção do Estado, mais iniciativa privada, transparência nos serviços públicos, combate à corrupção, à impunidade e aos crimes económicos. João Lourenço prometeu ser o Presidente de todos os angolanos.
13h25 - O novo Presidente da República termina o discurso inaugural. O Chefe de Estado-Maior General das FAA, Geraldo Sachipengo Nunda, pede autorização ao novo Comandante-em-chefe das Forças Armadas Angolanas para iniciar o desfile dos três ramos das Forças Armadas e da Polícia Nacional. 
13h37 - Inicia o desfile ao som da Banda de Música das Forças Armadas Angolanas, integrado por militares dos três ramos das Forças Armadas. Sob o comando do tenente-general Joaquim Constantino, o desfile é uma forma de mostrar a organização, disciplina, coesão das Forças Armadas Angolanas e da Polícia Nacional, além de cativar a juventude. Apenas o Presidente da República se mantém de pé, enquanto decorre o desfile, repartido em oito blocos de integrantes das Forças Armadas e da Polícia Nacional.
13h58 - Sob o som da Banda da Guarda de Honra Presidencial, procede-se ao disparo de 21 salvas de canhão
14h01 - O presidente do Tribunal Constitucional, Rui Ferreira, declara ter empossado o Presidente da República e o Vice-Presidente da República, iniciando o mandato  naquele momento. De seguida, dá por terminada a cerimónia pública de empossamento.
14h03 - O Presidente da República, João Lourenço despede-se dos juízes conselheiros do Tribunal Constitucional. Acompanhado pelo presidente do Tribunal Constitucional, o Presidente da República e Comandante-em Chefe das Forças Armadas Angolanas desce da tribuna principal e despede-se de Rui Ferreira.
14h06 - O Presidente da República e Comandante-em-Chefe das Forças Armadas Angolanas, João Lourenço, passa em revista às tropas em parada, sobe na viatura protocolar, sob o som da Banda de Música, e deixa a Praça da república, acompanhado da Primeira Dama, Ana Dias Lourenço.
14h08 - Acompanhado pelo presidente do Tribunal Constitucional, o Presidente José Eduardo dos Santos desce da tribuna de honra. Saúda a população, sobe na viatura e deixa a Praça da República, acompanhado da esposa, Ana Paula dos Santos, e dirige-se ao Palácio Presidencial, onde entrega as chaves ao novo inquilino.
 
 Rui Ferreira: “Uma via expressa para fazer o que prometeu” 
 
Um momento de destaque da cerimónia ocorreu quando, ao novo Chefe de Estado, o presidente do Tribunal Constitucional lembrou que os limites únicos do poder que lhe foram conferidos pelo povo são os que constam da Constituição da República, da Lei e do dever de servir a Nação. “Não há outro, Sr. Presidente. A partir de hoje abrem-se aos seus pés e para os próximos cinco anos uma via expressa para fazer o que prometeu aos angolanos”. 
E pediu: “Corrija o que está mal, melhore o que está bem, combata a corrupção, fortaleça o Estado democrático e de direito, diversifique a economia e melhore a qualidade de vida dos angolanos”. 
No seu primeiro discurso, quase que respondendo ao presidente do Tribunal Constitucional, o Presidente João Lourenço declarou: “A Constituição será a nossa bússola de orientação e as leis o nosso critério de decisão”. E mais adiante, falando da corrupção e da impunidade: “Exorto todo o nosso povo a trabalhar em conjunto para extirpar esse mal que ameaça seriamente os alicerces da nossa sociedade”.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao