Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

galeria de eventos
video reportagens
Outros Negócios
Máquinas para blocos
PRICE_NEGOTIABLE
Outros Negócios
Máquinas para blocos
PRICE_NEGOTIABLE
Negócios
Máquinas para blocos
PRICE_NEGOTIABLE

Veste robótica impede má-postura

Veste robotica impede ma posturaEquipamentos de proteção individual
 
No mercado de equipamentos de proteção individual existem diversos tipos de colete para trabalhadores que precisam erguer pesos.
 
Mas parece que nenhum deles é perfeito: os trabalhadores reclamam da falta de conforto, enquanto os médicos pedem maiores níveis de proteção.
 
A equipe do Instituto de Sistemas de Produção, da Alemanha, acredita ter chegado a um meio-termo.
 
Eles criaram um colete com atuadores ativos que enrijecem quando o usuário começa a deslocar-se da postura ideal.
 
Desta forma, o trabalhador não precisa usar um equipamento de proteção individual apertado demais, o que tira sua mobilidade e incomoda, e nem se submeter a riscos maiores em razão de posturas inadequadas.
 
Robótica mole
 
Segundo a equipe, o colete usa o conceito de "robótica mole", criando uma autêntica prótese ortopédica para uso preventivo.
 
Segundo o Dr. Henning Schmidt, responsável pelo projeto, toda a eletrônica necessária, incluindo os sensores e os atuadores, estão embutidos no material. Os sensores monitoram todo o movimento do usuário, enquanto um processador compara os dados em tempo real com um padrão de movimentos ótimos.
 
A energia necessária para que o equipamento funcione vem do próprio trabalhador: quando ele se inclina para erguer um peso, o equipamento armazena a energia cinética, que é então liberada quando ela é necessária.
 
Schmidt afirma que o novo colete será particularmente útil em hospitais, onde os cuidadores frequentemente precisam carregar os pacientes ou ajudá-los a se mover, quando nem sempre é possível saber a força que será necessária para apoiar o paciente.
 
Fonte: http://inovacaotecnologica.com.br

Presidente Zuma contra xenofobia

Presidente Zuma contra xenofobiaO Presidente da África do Sul, Jacob Zuma, reconheceu que os  ataques contra cidadãos estrangeiros não são novos, mas disse às organizações que os representam que a maioria dos sul-africanos não é xenófoba.
 
Jacob Zuma, que reuniu com mais de 50 enviados de várias organizações que representam os cidadãos estrangeiros na África do Sul em Pretória, para discutir sobre a violência xenófoba que matou sete pessoas nas províncias de KwaZulu-Natal e Gauteng nas últimas semanas, ouviu as preocupações dos estrangeiros e falou dos esforços do seu Governo para acabar com os ataques e discutir uma solução possível.
“Como Governo acreditamos em lidar com os desafios que enfrentamos juntos. É necessário garantir que sejam encontradas soluções permanentes de modo que todo o nosso povo possa continuar a viver lado a lado, juntos, como temos feito há anos”, afirmou.
Durante a reunião foi apresentado um relatório sobre os casos submetidos ao tribunal relacionado com os ataques xenófobos de 2008. 
De acordo com a Presidência sul-africana, de Janeiro de 2008 a Janeiro de 2009 um total de 79 casos foram levados aos tribunais e 132 acusados compareceram nas audiências. Todos os 132 acusados foram condenados e sentenciados. 
A Organização Internacional para Migrações (OIM) promove uma campanha sobre tolerância e coesão social após os ataques xenófobos ocorridos desde finais de Março na África do Sul. 
A campanha, da iniciativa “Também sou Migrante”, realizada em parceria com 18 órgãos de comunicação sul-africanos, tem como objectivo melhorar imagem da migração e recomendar políticas para solucionar o problema.
Aliada a agências da ONU, ONG e parceiros académicos, a Organização Internacional para Migrações avançou propostas para abordar a questão de uma forma abrangente, analisando as causas profundas da violência contra os migrantes. 
Outras acções incluem a melhoria da imagem da migração, sugestão de políticas para que o governo resolva a questão com a sociedade civil e a promoção da convivência pacífica e produtiva. A Organização Internacional para Migrações disse que tem facilitado o regresso de menores não acompanhados, migrantes doentes e vulneráveis.
O secretário-geral da ONU saudou as expressões públicas de muitos sul-africanos que “têm pedido harmonia e coexistência pacífica” com os cidadãos de outros países, ao reagir às acções e declarações do Presidente e do Governo da África do sul sobre a violência.
Ban Ki-moon apelou para serem tomadas “todas as medidas para evitar futuros ataques”, incluindo incitações, e encoraja soluções pacíficas. Também expressou condolências às famílias das vítimas.
A violência contra migrantes na África do Sul atingiu  KwaZulu Natal e Gauteng. Em três semanas, pelo menos sete pessoas morreram e mais de 8 mil migrantes foram deslocados. Várias vítimas estão alojadas em abrigos geridos pelo Governo, igrejas, mesquitas e ONG. 
A Organização Internacional para Migrações enviou dezenas de autocarros a vários países vizinhos para ajudar migrantes a voltar para casa. 
Agências de notícias referem que mais de 300 pessoas foram presas e que o Exército sul-africano está a ser enviado a algumas áreas para prevenir ataques a estrangeiros.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao/

Deputados da CPLP reunidos

Deputados da CPLP reunidosOs deputados dos grupos nacionais da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa estão desde ontem reunidos em Luanda, para preparar a Assembleia Parlamentar da organização, que decorre este ano no Brasil. 
 
A primeira vice-presidente da Assembleia Nacional, Joana Lina, que fez a abertura da reunião dos presidentes dos grupos nacionais, em representação do Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, disse que as fronteiras e a distância que separam os países membros não é factor impeditivo da cooperação parlamentar. 
Na reunião, que termina hoje, os deputados discutem temas marcantes e objectivos comuns. Entre os temas destaque para o Memorando sobre as condições e implicações legais sobre a instalação, em Luanda, do secretariado permanente da Assembleia Parlamentar da CPLP, os projectos de acordo entre Angola e a CPLP sobre o estabelecimento do secretariado da AP-CPLP e o projecto de perfil ocupacional para o cargo de secretário-geral da AP-CPLP .
Joana Lina, que é também presidente do grupo nacional da AP-CPLP, afirmou que se tratam de documentos chaves para organização e bom funcionamento da Assembleia Parlamentar da CPLP. A análise dos temas, disse, podem representar um contributo assinalável para a consolidação da organização e desenvolvimento da cooperação parlamentar a nível da CPLP. Os deputados do Senado da Guiné Equatorial participam pela primeira vez na reunião dos grupos nacionais da Assembleia Parlamentar da CPLP. A Guiné Equatorial foi admitida como membro de pleno direito na organização em Julho passado, durante a cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da CPLP realizada em Timor-Leste.   
Joana Lina afirmou que a presença do Senado da Guiné Equatorial na organização vai enriquecer ainda mais a Assembleia Parlamentar da CPLP. “As vossas contribuições vão permitir uma melhor integração do Parlamento da Guiné Equatorial na AP -CPLP”, salientou. A presidente do Senado da Guiné Equatorial, Teresa Efua Asangono, teve um encontro com o Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, com quem abordou a cooperação parlamentar entre os dois países e a instalação do secretariado permanente da Assembleia Parlamentar da CPLP em Angola.
Teresa Efua Asangono disse ter discutido com o líder do Parlamento angolano a participação na Assembleia Parlamentar da CPLP e garantiu trabalhar e cumprir com todos os regulamentos, obrigações, condições e deveres que a comunidade exige. Teresa Efua Asangono afirmou que o envolvimento no grupo de mulheres parlamentares da CPLP permite à Guiné Equatorial participar com projectos, programas e trocar experiências com outros países.
O encontro entre deputados da AP-CPLP termina hoje com a informação sobre a criação do grupo de parlamentares  para o Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional e a definição da data para a realização da sexta reunião da Assembleia Parlamentar da CPLP, no Brasil.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao/