Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

galeria de eventos
video reportagens
Outros Negócios
Máquinas para blocos
PRICE_NEGOTIABLE
Outros Negócios
Máquinas para blocos
PRICE_NEGOTIABLE
Negócios
Máquinas para blocos
PRICE_NEGOTIABLE

Para proteger aviões de raios, eletrize os aviões

Para proteger avies de raios eletrize os aviesRaios em aviões
 
Engenheiros do MIT estão propondo uma técnica inusitada - e um tanto estranha - para evitar que raios atinjam os aviões: carregar eletricamente o corpo dos próprios aviões.
 
Carmen Guerra Garcia e seus colegas afirmam que isso pode reduzir a chance que o avião seja atingido por um raio, lembrando que as estimativas indicam que todo avião comercial no mundo é atingido por um raio pelo menos uma vez por ano.
 
Cerca de 90% dos raios parecem ser desencadeados pela própria aeronave: Em ambientes de tempestade, o exterior eletricamente condutor do avião funciona como um pára-raios, iniciando a descarga que potencialmente é capaz de danificar as estruturas externas do avião e até comprometer sua eletrônica de bordo - embora esses casos sejam muito raros.
 
Hoje, a melhor forma de evitar os raios consiste em redirecionar os aviões para outras rotas, desviando-os das regiões de tempestade.
 
Aviões eletrificados
 
A proposta de carregar eletricamente o avião parece contra-intuitiva, mas a equipe garante que, se um avião for eletricamente carregado no nível adequado, a probabilidade de que ele seja atingido por um raio reduz-se substancialmente.
 
A ideia decorre do fato de que, quando um avião voa através de um campo elétrico ambiente, seu estado elétrico externo, normalmente em equilíbrio, muda. À medida que o campo elétrico externo polariza a aeronave, uma extremidade do avião fica mais carregada positivamente, enquanto a outra extremidade tende a acumular mais carga negativa. À medida que essa polarização aumenta, ela pode desencadear um fluxo de plasma altamente condutor, chamado "líder positivo" - o estágio anterior à produção de um raio.
 
A equipe propõe então carregar negativamente o avião de forma temporária - quando ele estiver viajando em zonas de tempestade - até um nível que anule o acúmulo de cargas positivas, impedindo assim que se chegue ao nível crítico que inicia um raio.
 
A equipe demonstrou que tudo funciona em termos conceituais. O desafio agora é encontrar alguém que banque um teste real.
 
"O cenário que planejamos consiste em voar para uma área onde há nuvens de tempestade, e as nuvens de tempestade produzem uma intensificação do campo elétrico na atmosfera," detalhou Carmen. "Isso pode ser percebido e medido a bordo, e podemos afirmar que, para eventos de desenvolvimento relativamente lento, você pode carregar [eletricamente] um avião e se adaptar em tempo real. Isso é bastante viável."
 
Fonte: http://inovacaotecnologica.com.br

Lula evita ser preso e reafirma inocência

Lula evita ser preso e reafirma inocnciaLula da Silva conseguiu na quinta-feira uma pequena vitória no Tribunal Supremo do Brasil, na sequência da aceitação por parte desta instância judicial do pedido de “Habeas Corpus” apresentado pela sua defesa.
 
A votação no Supremo brasileiro foi favorável às pretensões de Lula em sete votos contra quatro.
Desta forma, Lula da Silva evita ser preso, pelo menos, nas duas próximas semanas. Isto porque o julgamento só será retomado a 4 de Abril. E antes Lula vai esgotar o seu último recurso.
Na próxima segunda-feira o Tribunal Regional Federal, com sede em Porto Alegre, vai avaliar o derradeiro recurso de Lula contra a sentença de 12 anos e um mês que resultou do caso Lava Jato.
Em entrevista à Rádio Guaíba, ainda antes de ser conhecido o resultado da votação no Supremo, Lula insistiu na sua inocência. “Eu estou muito tranquilo. Estou com a tranquilidade dos inocentes e eles com a intranquilidade dos culpados. Eu ainda acredito na justiça. Se não for hoje, vai ser daqui a um tempo”, disse. Apesar de ser alvo da justiça, Lula  mantém o favoritismo na corrida presidencial deste ano no Brasil. Em caso de condenação, o ex-Presidente vai ver  anuladas as pretensões de voltar ao Palácio da Alvorada, em Brasília.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao

Euclides da Lomba recebe homenagem

Euclides da Lomba recebe homenagemA vida e obra de Euclides Barros da Lomba, músico, intérprete e compositor angolano, preenchem hoje às 21h00 o espaço Show da Zimbo, apresentado por Edmilza dos Santos e o empresário de moda Kayaya Júnior.
 
O autor de sucessos que perduram no tempo há duas décadas, como “Livre Serás”, “Desejo Malandro”, “Caso de Amor e Ternura”, “Tchutcha”,  “Parrandeira”, “Mil Motivos Como Tu” e “Regressa”, viaja por memórias da vida pessoal e artística.
A chegada da mãe de Cabo Verde, em 1947, como contratada para trabalhar em roças de café, o nascimento e infância em Cabinda, a maturação e a licenciatura como “caimanero” em Cuba, bem como o início e a consistência da carreira, dominam o roteiro escolhido para o convívio de aproximadamente 2h30 minutos.
Com o suporte artístico da Banda Maravilha, fruto da química existente entre os instrumentistas Marito Furtado (bateria), Moreira Filho (baixo), Miqueias Ramiro (teclados) e Isaú Baptista (solo), Euclides da Lomba partilha a sua história.
Recentemente empossado como director nacional da Cultura, o músico criado numa família de artistas, da qual se destaca a poetisa Amélia da Lomba, irmã mais velha, recorda a visita a Luanda para a gravação de “Livre Serás”, primeiro disco, lançado em 1998, que continua a ser ouvido e procurado pelos fãs e apreciadores da sua música.
 
Trio da talentos
Nelo Paim (teclado) e Dodó Miranda (vozes) são nomes incontornáveis no percurso artístico do músico, quanto à produção. A dupla fez parte da concepção das obras “Livre Serás”, “Desejo Malandro” e “Recado Num Semba”, trabalhos bem acolhidos pela crítica, transformados em sucessos nas pistas de dança.
Euclides esperava gravar com Eduardo Paim “Marechal Kambuengo”, que por força da agenda entregou o trabalho ao irmão mais novo, instrumentista na altura à procura do firmamento, facto que causou estranheza ao cliente.
Das mãos mágicas de Nelo Paim e do canto doce de Dodó Miranda nasceu um casamento feliz com o compositor que começou a carreira como trovador, em Cuba. O trio espera voltar a unir-se, para a alegria do público.
A passagem pelo Show do Mês, projecto cultural da promotora de eventos Nova Energia, em Setembro de 2016, confirmou a popularidade do cantor, que viu nascer o movimento cívico REGRESSA DA LOMBA, suportado por fãs e amigos desejosos de assistir a um mega concerto seu, no Centro de Conferências de Belas (CCB), no complexo Futungo II. Euclides agradece todo esse carinho em dedicatória na obra “País que Venero”, o seu mais recente disco.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao

Angola testa capacidades contra ameaças marítimas

Angola testa capacidades contra ameaas martimasAngola vai testar as capacidades de comunicação, de monitoria da sua costa, de intervenção e prevenção contra ameaças marítimas durante os exercícios navais denominados “Obangame Express 2018”, que tiveram início ontem e decorrem até ao dia 29, com a participação de 31 países.
 
De acordo com o director do Exercício, Eric Conzen, que falava ontem durante  uma áudio conferência, nas instalações da Embaixada Americana, os exercícios, uma iniciativa do Africom (Comando dos EUA para África), em coordenação com os países africanos, destinam-se à partilha de informação, reforço dos mecanismos de abordagem e inspecção de navios, bem como a  prevenção de ameaças marítimas.
O centro de coordenação encontra-se em Libreville,  Gabão. Os 31 países estão divididos em cinco zonas. Cada país possui um centro de operações,  dentro das suas águas de jurisdição, com ligações à coordenação geral em Libreville.
O Comodoro do Comando Militar dos EUA para Europa e África disse que com estes exercícios, os participantes pretendem aumentar as capacidades das nações costeiras para melhorar a operacionalidade em matéria de busca e resgate.  
Segundo a alta patente da marinha americana, Angola faz parte da Zona A, com a República Democrática do Congo (RDC), República do Congo, Brasil e Namíbia, que participa como observadora. Com a  participação activa desde que deixou o estatuto de observadora, em 2015, a parte angolana associa-se aos exercícios com meios aéreos e navais, tendo oficiais de ligação com os países da mesma zona, das outras zonas e com o centro de coordenação em Libreville. 
As forças americanas, disse, pretendem cooperar e complementar o grau de preparação das suas  congéneres africanas nos esforços conjuntos para combater as principais ameaças marítimas ao longo da costa atlântica. 
 
Segurança no Atlântico  Sul
À margem da áudio-conferência, o chefe do escritório de segurança da Embaixada americana, Luke Fabiunke, disse que, contrariamente à ideia de que as atenções estão voltadas  para o Golfo da Guiné, o Atlântico Sul não tem sido abandonado em matéria de prevenção e segurança marítima. 
O militar americano deu como exemplo a participação do Brasil, dizendo que o mais importante é aumentar as capacidades já existentes para que os países da região reforcem o controlo do seu espaço marítimo e melhorar as capacidades colectivas. 
Assegurar que os países africanos sejam capazes de reforçar, entre si, os mecanismos de cooperação, no domínio da prevenção e combate às ameaças marítimas, constitui igualmente um dos objectivos dos exercícios Obangame Express 2018.  
Quando questionado sobre o potencial de conflito entre países africanos, numa altura em que alguns prevêem  estender a sua Zona Económica Exclusiva, Luke Fabiunke  defendeu a resolução pacífica e a necessidade de recurso às instâncias internacionais.
Além de Angola, participam nesta oitava edição dos exercícios Obangame Express 2018  a Alemanha, Bélgica, França, Portugal, Espanha, Turquia, Brasil, São Tomé e Príncipe, Benin, Camarões, Marrocos, Nigéria, Gabão, Gana, República do Congo, Togo, Cabo Verde, Namíbia, Gâmbia, Libéria, Serra Leoa e Senegal.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao

Albufeira do Ngove absorve pouca água

Albufeira do Ngove absorve pouca guaO baixo nível da água da albufeira na barragem hidroeléctrica do Ngove, na província do Huambo, está a dificultar o funcionamento das três turbinas geradoras de energia eléctrica da província, disse, ontem, o director provincial da Energia e Águas do Huambo.
 
Segundo Simão Canda, nos últimos dois meses a albufeira registou um aumento de oito metros cúbicos, perfazendo  1.577 metros de água acumulada, 11 metros abaixo da percentagem mínima que deve estar reservad.
 A barragem do Ngove produz actualmente dez megawatts de energia eléctrica, mas a sua capacidade instalada é de 60 megawatts. Apesar das chuvas constantes, o caudal continua baixo. O director do Aproveitamento Hidroeléctrico do Ngove, Pedro  António, acredita que, até finais de Abril, o nível da água  na albufeira atinja  níveis suficientes para a barragem produzir energia eléctrica para abastecer  com regularidade a província. /> 
Vandalização de bens públicos 
As linhas de transporte de energia pública, a partir da estufa-fria até aos arredores da cidade, e outras zonas periféricas, têm sido alvo de actos de vandalismo por parte de indivíduos desconhecidos.
Simão Canda disse que o Governo Provincial vai tomar medidas para responsabilizar os malfeitores que danificam o bem público, ao mesmo tempo que apela à população a   ficar atenta e denunciar quem proceder o saque dos cabos eléctricos.
 “O sector eléctrico está a envidar esforços para repor os meios danificados”, garantiu.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao

Angola testa capacidades contra ameaças marítimas 2018

Angola testa capacidades contra ameaas martimasAngola vai testar as capacidades de comunicação, de monitoria da sua costa, de intervenção e prevenção contra ameaças marítimas durante os exercícios navais denominados “Obangame Express 2018”, que tiveram início ontem e decorrem até ao dia 29, com a participação de 31 países.
 
De acordo com o director do Exercício, Eric Conzen, que falava ontem durante  uma áudio conferência, nas instalações da Embaixada Americana, os exercícios, uma iniciativa do Africom (Comando dos EUA para África), em coordenação com os países africanos, destinam-se à partilha de informação, reforço dos mecanismos de abordagem e inspecção de navios, bem como a  prevenção de ameaças marítimas.
O centro de coordenação encontra-se em Libreville,  Gabão. Os 31 países estão divididos em cinco zonas. Cada país possui um centro de operações,  dentro das suas águas de jurisdição, com ligações à coordenação geral em Libreville.
O Comodoro do Comando Militar dos EUA para Europa e África disse que com estes exercícios, os participantes pretendem aumentar as capacidades das nações costeiras para melhorar a operacionalidade em matéria de busca e resgate.  
Segundo a alta patente da marinha americana, Angola faz parte da Zona A, com a República Democrática do Congo (RDC), República do Congo, Brasil e Namíbia, que participa como observadora. Com a  participação activa desde que deixou o estatuto de observadora, em 2015, a parte angolana associa-se aos exercícios com meios aéreos e navais, tendo oficiais de ligação com os países da mesma zona, das outras zonas e com o centro de coordenação em Libreville. 
As forças americanas, disse, pretendem cooperar e complementar o grau de preparação das suas  congéneres africanas nos esforços conjuntos para combater as principais ameaças marítimas ao longo da costa atlântica. 
 
Segurança no Atlântico  Sul
À margem da áudio-conferência, o chefe do escritório de segurança da Embaixada americana, Luke Fabiunke, disse que, contrariamente à ideia de que as atenções estão voltadas  para o Golfo da Guiné, o Atlântico Sul não tem sido abandonado em matéria de prevenção e segurança marítima. 
O militar americano deu como exemplo a participação do Brasil, dizendo que o mais importante é aumentar as capacidades já existentes para que os países da região reforcem o controlo do seu espaço marítimo e melhorar as capacidades colectivas. 
Assegurar que os países africanos sejam capazes de reforçar, entre si, os mecanismos de cooperação, no domínio da prevenção e combate às ameaças marítimas, constitui igualmente um dos objectivos dos exercícios Obangame Express 2018.  
Quando questionado sobre o potencial de conflito entre países africanos, numa altura em que alguns prevêem  estender a sua Zona Económica Exclusiva, Luke Fabiunke  defendeu a resolução pacífica e a necessidade de recurso às instâncias internacionais.
Além de Angola, participam nesta oitava edição dos exercícios Obangame Express 2018  a Alemanha, Bélgica, França, Portugal, Espanha, Turquia, Brasil, São Tomé e Príncipe, Benin, Camarões, Marrocos, Nigéria, Gabão, Gana, República do Congo, Togo, Cabo Verde, Namíbia, Gâmbia, Libéria, Serra Leoa e Senegal.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao

Petro de Luanda e 1º de Agosto conhecem os adversários

Petro de Luanda e 1 de Agosto conhecem os adversriosO sorteio da 34ª edição da Taça dos Vencedores das Taças, em ambos os sexos acontece hoje, na cidade do Cairo, Egipto, sob a égide da Confederação Africana de Andebol (CAHB). A decorrer de 12 a 24 de Abril, a prova conta com a participação de 27 equipas.
 
Dez formações no sector feminino disputam o título continental, designadamente: 1º de Agosto (campeão) e Petro de Luanda (Angola), Stade Mandji (Gabão), Cara e Abo Sport (Congo Brazzaville), FAP e Dyamique de Bokito (Camarões), HC Heritage (Congo Democrático),  Habitat HBC (Costa do Marfim) e Al Ahly (Egipto).
O Egipto acolhe a competição pela quinta vez, (1985, 87, 89 e 93). Marrocos lidera a lista, com oito edições (1990, 94, 96, 2001, 2005, 2008, 2016 e 2017), Tunísia, cinco (2003, 2004, 2007, 2012, 2013), Nigéria, quatro (1992, 97, 98, 2000), Argélia, três (1988, 91, 99) Benim, duas(1986 e 2009), Costa do Marfim, duas (2002 e 2006), Níger (1995), Burkina Faso (2010), Camarões (2011), Congo Brazzaville (2014) e Gabão(2015).
Das dez equipas inscritas, petrolíferas, sete títulos, e militares, três, são as únicas que já conquistaram a Taça, juntas somam 10 das 33 edições. 1º de Agosto, campeã em 2017, Cara e Fap, são as repetentes na presente.  
A última participação do África Sport, da Costa do Marfim, a mais titulada com nove, foi em 2016, tendo ocupado a 6ª posição.Com a presença confirmada das duas melhores equipas do continente, 1º de Agosto e Petro, os aficionados da modalidade perspectivam uma final angolana inédita.   
Em masculinos, 17 clubes disputam o troféu, Al Ahly (campeão) e Heliopolis (Egipto), Salinas e Phoenix (Gabão), Al Ittihad e Al Nasr (Líbia), TBHC (Madagáscar), Inter Club (Congo Brazzaville, As Minuh e FAP (Camarões), JSK e JSL (Congo Democrático), Widad Smara (Marrocos), ESS (Tunísia) , RED Star (Costa do Marfim), Kirkos Sub-City e Kembata Durame (Etiópia).
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao

Poluentes da água são quebrados usando um LED e vitamina C

Poluentes da gua so quebrados usando um LED e vitamina CElétrons hidratados
 
Químicos da Universidade Martin Luther, na Alemanha, descobriram como desintegrar de forma fácil e barata poluentes dispersos na água que até hoje só dificilmente poderiam ser retirados.
 
Para livrar a água dos poluentes, Robert Naumann e seus colegas só precisam de um LED verde, um catalisador e vitamina C.
 
Essa combinação produz tipos especiais de elétrons que destroem de forma confiável os poluentes na água - os elétrons são liberados pela energia da luz de seu composto molecular na vitamina C e então passam a nadar livremente na água, onde interagem com os poluentes.
 
"A ideia é que a luz penetre numa molécula e desencadeie uma reação lá," explicou o professor Martin Goez, coordenador da equipe. "Estes chamados 'elétrons hidratados' são extremamente reativos e podem, por exemplo, ajudar a quebrar os poluentes. A vantagem em relação a outras substâncias é que os elétrons desaparecem completamente após a reação, o que significa que não deixam resíduos prejudiciais."
 
Quebra de poluentes
 
Os elétrons hidratados reagem com substâncias muito estáveis, dividindo-as em seus componentes individuais, tipicamente inertes.
 
Até agora, isso só podia ser feito usando sistemas de laser complexos demais para usos práticos, além do que os lasers de alta potência necessários para gerar esse tipo de elétron exigem rígidas precauções de segurança. Em contrapartida, o sistema com LEDs e vitamina C é muito mais simples e barato. "Nosso sistema consiste em um diodo padrão de emissão de luz verde, traços de um complexo metálico que atua como catalisador e vitamina C. Este método pode ser ensinado aos estudantes de graduação no início do curso," disse Goez.
 
O grupo testou o método com vários poluentes, incluindo o ácido cloroacético, uma substância extremamente tóxica e muito estável - o ácido foi totalmente desfeito em componentes inofensivos.
 
Segundo a equipe, a técnica é adequada não apenas para a decomposição de cloretos ou fluoretos prejudiciais; ela pode ser aplicada a muitas outras reações fotoquímicas que são difíceis de iniciar por outros meios.
 
Fonte: http://inovacaotecnologica.com.br