Drone invisível testa tecnologias para aviões sem piloto

Drone invisvel testa tecnologias para avies sem pilotoAvião sem piloto
 
A Agência Espacial Alemã (DLR) testou com sucesso um protótipo de avião autônomo projetado para avaliar várias tecnologias que deverão permitir um salto qualitativo para os drones e abrir o caminho para uma maior automação dos aviões.
 
O protótipo, batizado de SAGITTA, é um veículo aéreo não-tripulado (VANT) a jato e foi construído em colaboração com a Airbus.
 
O primeiro voo foi totalmente programado antes da decolagem. O drone decolou e voou de forma autônoma durante sete minutos por um percurso predefinido. Ele então aproximou-se da pista e pousou sem qualquer intervenção humana.
 
Entre as principais tecnologias avaliadas está o próprio material de que o avião é feito, um compósito ultraleve feito de um polímero reforçado com fibra de carbono. As camadas finas como papel são coladas até atingir espessuras que variam de acordo com o papel estrutural e a carga a que é submetida cada peça ou parte da fuselagem.
 
"Nossos pesquisadores tiveram que projetar e construir os componentes individuais de forma que eles se encaixassem precisamente durante a montagem, porque a camada adesiva precisava ser fina e uniforme para que a ligação fosse forte," disse Martin Wiedemann, da DLR.

Drone invisível
 
Este primeiro protótipo foi construído na escala de 1:4 do drone que deverá ir para a linha de produção nos próximos anos - ele mede 3 metros de comprimento por 3 metros de envergadura.
 
Impulsionado por duas turbinas de 300 N, o drone pode levantar voo com um peso total de até 150 quilogramas.
 
O voo de demonstração serviu também para confirmar que o drone se camufla em relação ao radar, com sua característica de "invisibilidade ao radar" (stealth) provindo primariamente de seu formato.
 
A seguir, o veículo de testes será usado para avaliar novos componentes estruturais nos quais serão integrados elementos funcionais ativos, como os flaps ajustáveis e dinâmicos.
 
"Com exceção dos freios, é um 'aparelho eletrônico de voo' que é controlado por atuadores eletromecânicos, em vez de componentes hidráulicos. O veículo experimental não é um produto pronto para produção. Ele foi projetado para recolher informações valiosas sobre novas tecnologias para sistemas de voo sem tripulação," disse Wiedemann.
 
Fonte: http://inovacaotecnologica.com.br

MPLA aposta forte na Saúde e Educação

MPLA aposta forte na Sade e EducaoO MPLA vai fazer "significativos investimentos" nos sectores da saúde, educação, transportes, energia e água, saneamento básico, cultura e desporto escolar - para o bem-estar da população -, caso vença as eleições, garantiu  hoje, no Uíge, o candidato do partido a Presidente da República, João Lourenço.
 
Durante um comício dirigido a milhares de militantes, simpatizantes e amigos do MPLA, na Praça da Independência, na cidade do Uíge, João Lourenço reiterou que os investimentos nas infra-estruturas que o MPLA se propõe a realizar decorrem da necessidade de levar o crescimento a todo o país, afirmando que a missão do seu partido é garantir o progresso e o desenvolvimento.
O político destacou ainda alguns investimentos já executados no sector da energia, como o Aproveitamento Hidroeléctrico de Laúca, inaugurado na sexta-feira pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, que vem aumentar a oferta de energia em todo o país. 
“Uíge é uma das províncias que nesta primeira fase do arranque de Laúca será beneficiada com a entrada em funcionamento deste importante aproveitamento hidroeléctrico”, disse João Lourenço, especificando que do conjunto dos investimentos da agenda do futuro Governo do MPLA consta, igualmente, o aumento de oferta de salas de aulas para o ensino primário, secundário e universitário. 
A redução da taxa de mortalidade infantil, a melhoria do saneamento básico, o aumento da alfabetização e da esperança da vida foram também apontados como desafios a serem vencidos. 
Homenagem à cultura
João Lourenço destacou igualmente o valor da cultura e afirmou que um povo que não a tem está condenado à derrota. “O nosso país acaba de ter uma grande conquista com o reconhecimento internacional do centro histórico de MBanza Kongo como património cultural da humanidade. Isto honra todos os angolanos e nos diz o quão importante é a preservação da nossa cultura”, destacou. À semelhança do que tem acontecido em outras províncias por onde passou, no Uíge, João Lourenço foi brindado com a presença de milhares de pessoas, naquele que foi o regresso à província, um mês depois de a ter visitado. 
Após duas semanas desde o início da campanha eleitoral, o candidato do MPLA pediu voto no seu partido, tendo afirmado que  “votar no número 4 é votar no partido que promoveu as grandes mudanças registadas em Angola”. 
O MPLA, lembrou, conduziu o fim do colonialismo e trouxe a Independência, pôs fim ao sistema de partido único para a instauração da democracia, implementou a economia de mercado, trouxe a paz e está a operar a mudança dos escombros do pós-conflito do país, para o desenvolvimento. 
 
Problemas identificados
 
O director provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo, Bosseke Mansony, afirmou que João Loureço conhece e tem bem identificados os problemas da região e acredita numa vitória nas eleições gerais. 
O antigo representante da UNITA na Holanda, João Culolo, agora militante do MPLA, disse que João Lourenço foi realista ao afirmar que foi o seu partido que lutou firmemente para a conquista da Independência Nacional, da paz definitiva.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao

APN inaugura sede no Bengo

APN inaugura sede no BengoA APN tem a sua primeira sede provincial no Bengo inaugurada ontem, em Caxito, pelo candidato do partido a Presidente da República, Quintino Moreira.
 
Depois, Quintino Moreira realizou um comício em que prometeu acabar com as assimetrias regionais, caso ganhe as eleições gerais e desenvolver todas as províncias do país. 
O candidato, natural do Bengo, defendeu que não deve haver províncias de primeira ou de segunda, mas que todas devem ser desenvolvidas. Por isso, prometeu levar o desenvolvimento àquela província, começando por fundi-la com Luanda e transformá-las na capital económica do país.  
“Com a província desenvolvida, não vai haver necessidade das pessoas, principalmente os jovens, se deslocarem para outros pontos do país”, disse, apontando as dificuldades que o Bengo enfrenta com a falta de estruturas, como escolas, água, energia, saúde e estradas. 
Ao dirigir-se a dezenas de pessoas, entre militantes e simpatizantes do partido, Quintino Moreira disse que a sua formação política cresce todos os dias e que na próxima semana, em que visita o leste do país, vai apresentar publicamente centenas de militantes que eram de outros partidos e que aderiram à APN.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao

Boletins de voto na CNE

Boletins de voto na CNEA Comissão Nacional Eleitoral (CNE) recebeu ontem, em Luanda, da empresa INDRA,  a última remessa do material que vai ser usado nas Assembleias de Voto no próximo dia 23.
 
O material foi entregue simbolicamente ao presidente André da Silva Neto da CNE,  em cerimónia que decorreu no aeroporto internacional 4 de Fevereiro e testemunhada pelos comissários da instituição. 
Do material constam boletins de voto, actas das operações eleitorais e das sínteses, a tinta indelével e os modelos das operações para a contagem dos votos nas Assembleias de Voto. O material está codificado com os nomes das provincias e municípios.  
Os kits de material estão organizados de acordo com os códigos de cada Assembleia, Mesa de Voto, Comuna, Município e Província e vai permitir que o material chegue nestas localidades sem qualquer dificuldade. 
O primeiro lote, com material de formação para as eleições, chegou no dia 14 de Junho. O material, que se destinava à formação dos elementos que vão trabalhar nas Assembleias de Voto, foi entregue também no aeroporto internacional de Luanda ao presidente da CNE por um responsável da INDRA. 
O primeiro lote, de 100 toneladas de carga, era composto maioritariamente por urnas plásticas, boletins de voto simulados e todo o equipamento simulando o material a ser usado numa Mesa de Voto em dia de eleição, para facilitar o exercício dos formandos. 
Recentemente, uma delegação de comissários da CNE esteve em Madrid (Espanha), para inspeccionar o material de votação nas eleições gerais. Os comissários visitaram a empresa INDRA, com a qual a CNE estabeleceu contrato para o fornecimento do material de votação, e fazem o acompanhamento e monitorização do material eleitoral que está a ser produzido em Madrid.  
Depois de receber o último carregamento do material eleitoral, o presidente da CNE, André da Silva Neto, adiantou que este material deve chegar às 12.152 assembleias de voto até ao dia 15 deste mês.
André da Silva Neto disse que a CNE está a cumprir os prazos estabelecidos na lei para as actividades da CNE. “Com a recepção do material, a CNE termina um conjunto de carregamentos de material logístico eleitoral. Foram um total de 15 voos, com o material eleitoral, que a INDRA trouxe para a CNE. Cerca de 690 toneladas de mercadorias destinadas às eleições gerais e temos todas as condições para a realização com êxito do pleito”, disse.   
 
Observadores 
 
Observadores nacionais e estrangeiros às eleições gerais começam a ser acreditados na segunda-feira pela CNE, anunciou a porta-voz do órgão, Júlia Ferreira. 
Indicou que a CNE recebeu pedidos das Embaixadas dos Estados Unidos, Noruega e da África do Sul, que manifestaram o interesse em participar como observadores internacionais no processo eleitoral angolano. 
Além dessas missões diplomáticas, entidades individuais internacionais solicitaram à CNE autorização para participar no pleito eleitoral como observadores. 
A CNE recebeu também propostas de duas associações nacionais, nomeadamente, o Fórum Nacional da Juventude e o Instituto Nacional de Sistemas Eleitorais e Democracia (IASED). 
A  CNE ponderou esses pedidos, tendo atribuído 500 candidatos para cada uma dessas associações, para não  ultrapassar a quota de três mil observadores nacionais, fixada por esse órgão.  Sobre os observadores, Júlia Ferreira disse haver duas vertentes, a primeira relacionada com os convites endereçados pelos órgãos de soberania, como o Presidente José Eduardo dos Santos, e a Assembleia Nacional, e a segunda, com os partidos e coligações de partidos concorrentes às eleições gerais.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao

CASA-CE promete escolas aos 3 anos

CASA-CE promete escolas aos 3 anosO candidato da CASA-CE a Presidente da República encabeçou ontem uma passeata por diversas artérias da capital do país, que culminou com uma intervenção no Mercado do Catinton, com a intenção de dar a conhecer o seu programa de governo e  "caçar" potenciais eleitores.
 
Abel Chivukuvuku interagiu, mais uma vez, com o eleitorado e distribuiu afectos por onde passou, não desperdiçando a oportunidade de em breves instantes conversar  com as pessoas que encontrou pelo caminho. 
Olhou nos olhos e fez o convite: “conto contigo”. Algumas vendedoras, por exemplo, procuraram o candidato para se declararem “fãs” dele. Cenas do género multiplicaram-se ao longo da jornada que começou logo pela manhã no Kilamba Kiaxi. Abel Chivukuvuku percorreu metro a metro para conversar com os indecisos e convencê-los a redefinirem posições.  Ao dirigir-se à população, maioritariamente jovem, o Presidente da CASA-CE disse ser  preciso imprimir uma mudança ordeira, pacífica e tranquila na actual situação do país, advertindo: “a mudança não cai do céu. Vocês é que são os donos da mudança. Nós seremos vossos servidores”.  Além disso, afastou o “fantasma da guerra\". “Dizem que se o MPLA não ganhar vai haver guerra. É mentira! Guerra só se for MPLA contra MPLA. Só temos uma Forças Armadas e a CASA-CE tem confiança nas nossas Forças Armadas”, sossegou.  
A evocação e ataques à governação não tardaram e voltou a atribuir todo o sofrimento dos angolanos ao MPLA. “Passaram-se 42 anos de governação e ainda tem jovens que não conseguem ir para a universidade, as ruas estão esburacadas, não há saneamento urbano e tudo com muito lixo e sem medicamentos nos hospitais”, afirmou, questionando: “quem é culpado do nosso sofrimento”? Criticou a \"insensibilidade\" dos governantes e apelou ao voto.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao

Lâmpada derivada de mineral natural brilha como o Sol

Lmpada derivada de mineral natural brilha como o SolHackmanita
 
Químicos sintetizaram um material, baseado em um mineral natural chamado hackmanita, que não apenas produz luz branca de largo espectro - luz de melhor qualidade do que a emitida pelas lâmpadas e LEDs atuais -, como também pode continuar brilhando depois que a energia for desligada.
 
Quem está por trás desse avanço é o brasileiro José Carvalho, atualmente desenvolvendo pesquisas na Finlândia por meio de um convênio entre a Universidade de Turku, a USP e o CNPq.
 
A hackmanita natural é uma variedade da pedra semipreciosa sodalita, um silicato de sódio e alumínio com cloro (Na4Al3(SiO4)3Cl). Ela possui uma característica conhecida como tenebrescência, ou fotocromismo reversível, a capacidade de mudar de cor quando exposta ao Sol, retornando à cor original quando volta para o escuro.
 
Já a hackmanita sintética produzida por Carvalho e seus colegas é um material de baixo custo, contendo apenas materiais abundantes e não-tóxicos, que emite uma luminescência mais próxima da luz solar do que a dos lantanídeos atualmente utilizados em lâmpadas.
 
"O menor custo do material também é uma grande vantagem em aplicações para diagnósticos [médicos], já que os lantanídeos atualmente utilizados são caros. Por causa de sua luminescência persistente, a hackmanita não exige espectrômetros temporizados caros para medir a luminescência," disse o professor Mika Lastusaari, coordenador do trabalho.
 
Lâmpada de brilho persistente
 
O grande sonho de todas as lâmpadas é imitar a luz solar. Atualmente, tanto as lâmpadas fluorescentes quanto os LEDs produzem luz branca com materiais luminescentes à base de lantanídeos, um grupo de elementos químicos do grupo 6 da tabela periódica.
 
Contudo, o uso de lantanídeos é problemático. Por um lado, eles são caros e seu preço pode variar muito; por outro lado, eles não produzem o mesmo amplo espectro da luz do Sol. Por isso a luz branca é produzida com lantanídeos misturando três cores primárias de espectro estreito, ou seja, vermelho, verde e azul.
 
"A hackmanita que desenvolvemos pode ser usada em lâmpadas comuns, como um fósforo de componente único para produzir luz branca natural. Como bônus, as lâmpadas de hackmanita continuam a brilhar mesmo depois de uma falha de energia, sendo assim adequadas para sinais de saída e emergência," disse Lastusaari.
 
Para um produto comercial, será necessário ser criativo com esse efeito de "brilho retardado" - uma lâmpada que se apague suavemente teria um apelo mercadológico, mas outra que fique teimosamente brilhando muito tempo depois que você desligou o interruptor provavelmente não faria muito sucesso.
 
Fonte: http://inovacaotecnologica.com.br

Samakuva garante unidade nacional

Samakuva garante unidade nacionalO candidato da UNITA a Presidente da República, Isaías Samakuva, prometeu sábado "apostar em medidas para reforçar a unidade nacional, melhorar a educação, a saúde, combater o desemprego e investir na habitação social”.
 
Ao discursar num comício no Dundo, capital da Lunda-Norte, Isaías Samakuva justificou as escolhas da UNITA com a necessidade de apostar em sectores que carecem de uma especial atenção e que promovam e reforcem os laços de irmandade entre os angolanos. 
Para Isaías Samakuva, a difusão da irmandade entre os angolanos de acordo com manifesto eleitoral e programa de governação da UNITA, permite resgatar a cultura, os hábitos e costumes locais. \"o país não só enfrenta uma crise financeira, mas também uma profunda decadência de valores morais e éticos”, disse.
Outra aposta do seu partido recai para a educação, onde pretende assegurar a qualidade do ensino. Para sua concretização, o primeiro passo, disse, passa pela melhoria do ensino e o aumento do salário dos professores. A UNITA pretende a obrigatoriedade e gratuitidade até ao ensino médio. Com isso, garante-se formação de qualidade, com a valorização dos quadros nacionais. A Saúde é outro sector que preocupa o partido do “ Galo Negro”, de acordo com o seu líder. 
Isaías Samakuva promete melhorar o sistema de saúde  do país, com o  abastecimento regular de medicamentos essenciais às unidades sanitárias de referência , formar quadros do sector à altura das exigências e expandir e aproximar os serviços das zonas afastadas às sedes urbanas.  “A UNITA tem no seu programa eleitoral medidas para resolver as insuficiências que se registam no sector da saúde”, disse.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao

Protocolo viabiliza consultas políticas

Protocolo viabiliza consultas polticasAngola e a Lituânia assinaram ontem em Vilnius um acordo sobre consultas políticas permanentes.
 
O instrumento foi assinado pelos chefes das diplomacias dos dois países, Georges Chikoti e Linas Linkevicius, respectivamente, no quadro da visita de dois dias do ministro das Relações Exteriores àquele país europeu, no quadro do reforço da cooperação bilateral.  
A propósito, o director para a Europa do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Francisco da Cruz, disse que o acordo permite a realização de consultas políticas permanentes sobre questões bilaterais, regionais e internacionais.
Relativamente ao encontro entre Georges Chikoti e Linas Linkevicius, Francisco da Cruz informou que os dois ministros passaram em revista a cooperação, exploraram novas formas de reforçar os laços de amizade e abordaram questões internacionais de interesse bilateral.
A Lituânia quer formar quadros angolanos dos sectores agrícola, das tecnologias da informação, indústria, comércio e serviços. Ainda ontem, o chefe da diplomacia angolana reuniu-se com o vice-ministro da Energia, Simonas Satunas.
A Lituânia, banhada pelo Mar Báltico, é membro da União Europeia desde 2004.
 
Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao